Organização de Serviços para o Tratamento dos Problemas Relacionados com Álcool e outras Drogas no Departamento de Psiquiatria da FCMSC

Quarta, 01 Janeiro 2014 18:14

Acesse: Organizacao de Servicos.pdf 

Organização de Serviços para o Tratamento dos Problemas Relacionados com Álcool e outras Drogas no Departamento de Psiquiatria da FCMSC

A organização dos serviços que tratam de pessoas com problemas relacionados ao uso de álcool e outras drogas evoluiu muito nos últimos quinze anos. Longe estão os dias nos quais os serviços eram baseados exclusivamente em uma só filosofia de tratamento como os alcoolatras anônimos ou psicanálise, onde pensava-se que as pessoas dependentes eram muito semelhantes entre sí e que poderiam beneficiar-se de um tratamento único. Atualmente busca-se uma diversidade de serviços que possa dar conta da grande heterogeneidade dos pacientes que buscam tratamento. O objetivo desta introdução é fazer um breve histórico do conceito de dependência de álcool e drogas e esclarecer como a evolução deste conceito afetou a forma como organizamos os serviços nos dias de hoje.
O que é depêndencia ?
A história dos conceitos clínicos de beber em excesso tem mais de dois séculos. Se por um lado a humanidade bebe desde os tempos bíblicos foi sómente a partir da revolução industrial na Inglaterra que o beber transformou-se num problema médico. Este fato deveu-se principalmente a uma maior oferta de álcool devido a uma produção mais eficiente o que ocasionou uma diminuição do preco principalmente na forma de destilados (gin). A partir dai os médicos comecaram a observar um número cada vez maior de pessoas que bebiam muito. Durante o século XIX conceitos como dipsomania e alcoolismo crônico surgiram na Europa. No comeco do século XX, a influência dos Alcoólicos Anônimos nos EUA consolidou a idéia de alcoolismo como uma doença que seria caracterizada principalmente pela perda do controle do beber. O grande problema dessas idéias é que consideravam alcoolismo como uma condição de tudo ou nada, ou alguém era ou não era alcoolatra. A consequência dessa idéia de doença é que existiria um tratamento único que poderia ser útil para todos os alcoolatras. Progressivamente as pesquisas científicas não corroboraram essa idéia e atualmente os grupos de auto ajuda baseados nos AA, embora úteis em qualquer organização de serviços, são apenas uma das inúmeras estratégias utilizadas.
Atualmente o conceito adotado pela OMS é o da Síndrome de Dependência do Álcool (SDA). A diferença em relação aos conceitos anteriores é que dependência deveria ser visto como uma condição que variaria ao longo de um continuum de severidade. Alguém poderia ser pouco, moderado ou muito dependente. À semelhança, por exemplo, da ansiedade, pois não basta sabermos se alguém é ansioso, o importante é identificarmos a intensidade da condição para decidirmos o melhor tratamento. Dependência seria um comportamento apreendido, um desenvolvimento de uma série de ações e influências que contribuiriam para este estado. A tabela 1 apresenta os sete sintomas que estariam presentes na SDA.

Ler 1634 vezes