Amor-Exigente deve ser para a vida toda? Acompanhe a entrevista exclusiva do Sr. Miguel Tortorelli – Presidente da Federação de Amor-Exigente

Quarta, 20 Março 2019 16:46

“Sabemos que “ninguém muda ninguém”, mas também temos consciência que “nada muda se eu não mudar” assim, quando eu me convenço de que esse programa é importante para a melhora da minha qualidade de vida, e começo a aderir a cada principio, eu começo a mudar a minha pessoa, e consequentemente a minha vida.” Sr. Miguel Tortorelli

*Por Adriana Moraes

Convidamos o Sr. Miguel Tortorelli - Presidente da Federação de Amor-Exigente para falar sobre a importância dos grupos de apoio do AE (Amor-Exigente). Nosso convidado nos contou um pouco de sua experiência, como funciona a dinâmica das reuniões, explicou de que maneira AE ajuda a família a entender a dependência química, falamos a respeito do 12ª Princípio Básico, sobre a participação de profissionais de saúde nos grupos, se AE é para a vida toda e no final da entrevista Sr. Miguel deixou uma linda mensagem para os leitores da UNIAD.

Definição de Amor-Exigente

Para o Presidente - Sr. Miguel trata-se de um extraordinário programa de qualidade de vida, que nos ajuda a refletir e reconstruir estruturas abaladas por comportamentos tóxicos resultados de inúmeras compulsões comportamentais, primordialmente em nossos grupos com álcool e outras drogas resultando na dependência química.

Público alvo:

Amor-Exigente é basicamente uma proposta de educação destinada a pais e orientadores como forma de prevenir e solucionar os problemas com seus filhos. AE é um grupo de apoio no qual os próprios membros se ajudam, na tentativa de mudar seus comportamentos e consequentemente, os comportamentos dos seus.

Diferentemente dos outros grupos de apoio que se propõem a desenvolver atividades voltadas à prevenção ou tratamento de dependência química, o Amor-Exigente é para quem quer trabalhar também com a comunidade, portanto, o grupo de apoio se constitui fundamentalmente em família, escola, professores, educadores, jovens e para todos que querem prevenir problemas. [1]

Entrevista:

1ª) Como o Sr. conheceu o Amor-Exigente? Conte-nos um pouco da sua experiência.

Após a primeira internação da minha filha, o psiquiatra, Dr. Pérsio de Deus, que era o responsável pelo acompanhamento dela, nos indicou um grupo que, com certeza, iria nos ajudar. Era o Amor Exigente. Procuramos os endereços e estavam abrindo um muito próximo a nossa casa. Isso foi em 1.998 e nesse grupo permanecemos até hoje. Minha esposa coordena o grupo de Família e eu o de Sobriedade.

2ª) Explique, por gentileza, como funciona a dinâmica da reunião (espiritualidade, estudo do princípio, partilha).

A reunião tem um funcionamento muito simples, e eficiente, com certeza. Inicialmente um dos momentos cruciais para que o programa reflita seu discurso de buscar melhorar a qualidade de vida das pessoas, e para isso de cara o acolhimento que proporcionamos a cada um na chegada com um sorriso, um abraço e a certeza de que ele veio ao lugar certo. Ao abrirmos os trabalhos, falamos sobre a base daquele programa para as pessoas que ali chegam e damos avisos gerais relativos aquele momento, o que toma não mais que 10 minutos. Em seguida, um voluntário fará um pequeno momento de reflexão interior, como parte de “livrar do barulho da rua” a pessoa que ali chega, com uma leitura curta, ou uma música, ou mesmo simples palavras que enalteçam o ser humano que somos, permitindo que nos preparemos para o que viemos nos tornar, e isto não deve levar mais que 5 minutos. Em seguida, outro voluntário apresentará por 15 a 20 minutos o tema objeto da reunião daquele dia. Sequencialmente, mas não necessariamente nesta ordem, se faz a oração da Serenidade, e a partir desse momento separam-se em grupos menores para que as pessoas possam organizadamente, partilhar suas dores e alegrias, experiências e ansiedades, e ouvindo experiências, dores e alegrias dos outros participantes daquela roda. Um momento de rica troca de experiência suportado por um de nossos importantes princípios éticos – sigilo.

3ª) De que maneira Amor-Exigente ajuda a família a entender a dependência química em todos os aspectos: biológico, psicológico, social e espiritual?

Entendo que o processo se desencadeia num todo, ao estudarmos cada um dos 12 princípios éticos e básicos. Em se colocando a serviço da Comunidade, no caso daquele núcleo de pessoas que ali estão e incentivando a responsabilidade de cada um. Aliás, a referência de cada um, e no respeito à singularidade real da pessoa, pois não nos preocupamos com a religião dela, mas na espiritualidade que ela permeará na vida dela, e claro no seu entorno. Tendo esses quatro pilares do Amor-Exigente alimentados acreditamos que atingimos todos os aspectos citados.

4ª) O 12º Princípio Básico do Amor-Exigente diz “Amo você, só não aceito o que você está fazendo de errado. Amar não é fazer tudo pelas pessoas ou dar-lhes tudo o que é possível” Então amar não basta, é necessário amar com exigências, como impor essas exigências?

Muito interessante essa pergunta, pois afirmar a imposição como instrumento de convencimento não me parece um condição consistente e real de transformação do indivíduo, mesmo porque sabemos que “ninguém muda ninguém”, mas também temos consciência que “nada muda se eu não mudar” assim, quando eu me convenço de que esse programa é importante para a melhora da minha qualidade de vida, e começo a aderir a cada principio, eu começo a mudar a minha pessoa, e consequentemente a minha vida. E se eu passo a ter um perfil comportamental diferente, e se todos que aderirem no meu núcleo familiar aderirem também, o ambiente familiar se transformará assim se aquela pessoa quiser permanecer conosco terá que aderir também. E isso é fácil? Claro que não. Fazer com que todo mundo adira é fácil? Claro que não. Mas o importante é que eu acredite, e faça essa mudança na minha vida porque o que programa sugere é que eu fique cada vez melhor, e claro na expectativa de que todos fiquem.

5ª) Sr. Miguel fale um pouco sobre a dimensão dos Grupos de Sobriedade, em especial sobre o grupo que o Sr. coordena na região norte de SP. Quais são as funções de um coordenador?

Os grupos de Sobriedade são de fundamental importância para recuperação dos usuários de substâncias psicoativas. É junto com seus iguais que eles se abrem, partilham, colocam suas metas semanais, que aliás, é o grande diferencial do “AE” e trocam experiências. A importância de continuar frequentando as salas é ser espelho para aqueles que estão chegando ainda no uso e ter determinação para continuar sobriedade.

A função do coordenador, é ouvi-los, pois perdem a credibilidade, pelas mentiras, manipulações e nas salas eles podem falar, interagir com eles, falar sobre nossa metodologia, princípios básicos, éticos, responsabilidade e espiritualidade e dar retorno nas partilhas, outro diferencial do “AE”.

6ª) Profissionais de saúde são bem-vindos no Amor-Exigente, são convidados para cursos, palestras, congressos, qual o prestígio dos profissionais de saúde nos grupos do Amor-Exigente?

Evidentemente, os profissionais nos ensinam muito, sobre a doença, as novidades que aparecem todos os dias. Nós trabalhamos qualidade de vida e mudança de comportamentos, Os profissionais são nossos grandes parceiros.

Quem faz diagnóstico e fala das consequências do uso de drogas são eles. Temos uma grande admiração e respeito por eles.

7ª) O programa Amor-Exigente deve ser para a vida toda, tem um prazo para participar?

O Amor-Exigente é um programa de qualidade de vida lembra? Assim, para que eu mantenha uma excelente qualidade de vida é importante que eu me mantenha atualizado, em continua reflexão de minhas atitudes, e pronto para ajudar os outros, o que me ajuda a melhorar também. Estar no grupo, com o grupo e pelo grupo, isso me ajuda tanto que eu mesmo não deixo de ir, por opção. Nada é obrigado.

8ª) Deixe uma mensagem para os membros do Amor-Exigente e para os leitores da UNIAD.

Para grande “familiae” hoje atendemos aproximadamente 100.000 pessoas por mês em nossos grupos. Além do Brasil estamos na Argentina, Uruguai, Itália e Israel, salvando vidas. Aqueles que frequentam nossos grupos sabem que cada um vai buscar a sua qualidade de vida, mesmo porque, cada tem viver a sua vida. Por mais que amamos nossos filhos, não podemos viver a vida deles. Amor Exigente frequente que dá certo.

Só acredita. E lembrem-se INSISTA, RESISTA, PERSISTA E NÃO DESISTA.

Agradecimento

Gostaria de agradecer ao Sr. Miguel Tortorelli pela atenção, por mais uma vez ter reservado um pouco do seu tempo para se dedicar a UNIAD.

Referência:

[1] Aconselhamento em dependência química / Neliana Buzi Figlie, Selma Bordin, Ronaldo Laranjeira. 3ª ed. São Paulo: Roca, 2015.

*Adriana Moraes - Psicóloga da SPDM (Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina) - Especialista em Dependência Química – Colaboradora do site da UNIAD (Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas).

Ler 949 vezes