moodleinpad    

       

Notícias

Clinical and sociodemographic profile of adolescents who stayed and did not stay in treatment at CAPSad Cuiabá/MT
Nayara Bueno de Araujo, Samira Reschetti Marcon, Naiara Gajo Silva, José Roberto Temponi de Oliveira

A atenção à saúde mental no Brasil, nos últimos 20 anos, passou por um redirecionamento de modelo de assistência centrado no hospital psiquiátrico para um modelo comunitário, caracterizado pela construção de uma rede de serviços extra-hospitalar articulada a dispositivos de atenção à saúde como os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS)1. O CAPS para usuários de álcool e outras drogas (CAPSad) destaca-se pelo atendimento especializado a pessoas que fazem uso prejudicial dessas substâncias, realizando o acompanhamento clínico, reinserindo o usuário na sociedade e incentivando sua autonomia, além de ter como estratégia de atenção a redução de danos, que visa minimizar os danos individuais e sociais causados pelo uso das substâncias psicoativas (SPA), e considera o usuário como protagonista de seu tratamento¹.

Helder de Pádua Lima, Violante Augusta Batista Braga

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 10% das populações dos centros urbanos de todo o mundo consomem substâncias psicoativas de forma abusiva, independentemente de idade, sexo, nível de instrução e poder aquisitivo. Salvo variações sem repercussão epidemiológica significativa, esta realidade encontra equivalência em território brasileiro.

Texto & Contexto - Enfermagem - Print version ISSN 0104-0707 - Texto contexto - enferm. vol.21 no.4 Florianópolis Oct./Dec. 2012
http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072012000400020 

RESUMO

Grupos de autoajuda estão se tornando cada vez mais comuns, à medida que seus membros se organizam para conviver com o alcoolismo e resolver seus próprios problemas. Objetivou-se apreender da vivência de alcoolistas o modo como um grupo de autoajuda se constitui como modalidade de tratamento para pessoas com dependência de álcool. Estudo descritivo, qualitativo, realizado com 20 membros de um grupo de autoajuda.

Esquizofrenia: Avanços no Tratamento Multidisciplinar

Terça, 11 Dezembro 2012 12:11 Publicado em Livros

"Esquizofrenia: avanços no tratamento multidisciplinar" é um guia prático para médicos, psicólogos, terapeutas ocupacionais, enfermeiros, estudantes e outros profissionais da saúde mental que querem atualizar seus conhecimentos sobre as melhores práticas de manejo de pacientes com esse transtorno. Escrito tanto a partir de informações atuais e relevantes como da experiência desenvolvida e/ou aplicada em centros de referência no tratamento da esquizofrenia, este livro, resultado da reunião das maiores autoridades sobre esse transtorno no Brasil, traz uma proposta de tratamento que pode mudar os desfechos dessa doença.

GRUPO DE ESTUDOS SOBRE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS – GEAD / UFPE

“Entre pedras e tiros:perfil dos usuários, estratégias de consumo e impacto social do uso do crack”

facepe

A dependência de substâncias é um fenômeno complexo, cujo tratamento deve considerar inúmeras condições, sendo cada paciente visto em sua individualidade. O clínico que atua nessa área não deve desviar-se de seu objetivo principal, que é auxiliar o indivíduo, buscando modificar os comportamentos que facilitam a manutenção da dependência, utilizando, para isso, ferramentas terapêuticas cujos resultados são baseados em evidências.
As terapias cognitivo-comportamentais têm sido referenciadas como abordagens eficazes no tratamento de diversos transtornos psiquiátricos – entre eles os transtornos por uso de substâncias –, e sua aplicação no contexto do tratamento tem se mostrado eficaz tanto para o alcance quanto para a manutenção da abstinência, seja em usuários de álcool, tabaco ou substâncias ilícitas. Este livro, resultado do trabalho de importantes clínicos e pesquisadores na área,  se debruça sobre essas abordagens terapêuticas, focando três grupos de correntes teóricas: as terapias de reestruturação cognitiva, as de resolução de problemas e as de treinamento de habilidades.
 

Acesse o Primeiro Capítulo (clique aqui)

Eliany Nazaré Oliveira, Tâmia Queiroz Lira, Adriana Gomes Nogueira Ferreira, José Vilson Barreto Araújo, Naiana Feitosa Nogueira, Mariana Peres Marinho, Gleisson Ferreira Lima

O estudo objetivou conhecer os aspectos relacionados ao tratamento de usuários de crack e álcool atendido pelo Centro de Atenção Psicossocial Álcool e outras Drogas (CAPS AD) em Sobral - Ceará. Estudo exploratório-descritivo, documental, retrospectivo com abordagem quantitativa, realizado no CAPSAD. A amostra foi composta por 181 prontuários sendo, 97 de usuários de crack e 84 consumidores de álcool. Para a coleta dos dados foi utilizado um formulário desenvolvido com base no Roteiro de Acolhimento do serviço, foram organizados em ordem numérica e tabulados no Microsoft Office Excel, versão 2007, e posteriormente analisados com base na análise estatística. O mesmo foi aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA) mediante CAAE nº 0069.0.039.000-11. Os resultados foram dispostos em 05 tabelas comparativas entre os usuários de crack e álcool. O sexo masculino representou 84,5%; 16,5% dos usuários de crack tinham de 11 a 19 anos, os de álcool nenhum caso nesta faixa etária.

Acesse na íntegra

WALMIR TEODORO SANT’ANNA

Dentro de um contexto introdutório, destaca-se que a psiquiatria, no Brasil, vive um processo de mudanças mais efetivas desde 1987, a partir do Movimento Nacional da Luta Antimanicomial, o qual tinha, por base negar a hospitalização como forma primeira de tratamento e propor novas formas de atendimento ao indivíduo portador de transtorno mental. A maioria dos países desenvolveu legislações específicas para tratamentos involuntários, porém nenhuma dessas orientações contempla em sua totalidade os procedimentos, critérios, condições e patologias que sejam aceitas sem contestações. As normas legais brasileiras mais recentes (Lei Federal nº 10.216/01, Portaria MS/GM nº 2.391/02 e as diversas leis estaduais sobre a reforma da atenção psiquiátrica) infelizmente não especificam, dentro deste contexto, os riscos que devem ser considerados pelo médico ao determinar uma internação involuntária. Neste sentido então, iniciativas políticas de elaboração e discussão de leis e de ações do governo foram criadas buscando políticas que lhe garantam um cuidado digno e consolidem o respeito e a cidadania.pdf Wlamir__MONOGRAFIA.pdf

Vídeo do Seminário: Justiça Terapêutica - é possível fazer! (clique e assista)

Reincidência é menor nos EUA com tratamento a viciado em vez de prisão

De 18% a 26% dos tratados não voltam à criminalidade', diz especialista.

tara1A especialista americana Tara Kunkel participa de
seminário sobre tribunais de droga em São Paulo
(Foto: Divulgação)Tara Kunkel discute projetos no Brasil; promotor diz que falta estrutura.

Fábio Tito Do G1, em São Paulo

A experiência dos Estados Unidos com os tribunais de drogas, programas de reabilitação para acusados de pequenos delitos relacionados ao uso de substâncias ilegais, tem servido de exemplo para a aplicação de projetos similares no Brasil.

Pagina 1 de 6

RELATÓRIO FINAL - II LENAD

Screen-Shot-2014-05-10-at-18.04

Resultados do II LENAD

lenadII

Galeria de Vídeos