moodleinpad    

       

Ministério Público investiga falhas em assistência na saúde mental

Domingo, 05 Novembro 2017 14:48

Promotor da Saúde já requereu documentação referente às apurações de comissão de sindicância da PJF realizadas nas 29 residências terapêuticas existentes no município

Tribuna de Minas

Por Daniela Arbex

O Promotor da Saúde, Jorge Tobias, informou que já recebeu a documentação e vai analisá-la (Foto: Fernando Priamo)

O Ministério Público instaurou procedimento preliminar para apurar irregularidades no funcionamento dos serviços residenciais terapêuticos administrados pela Associação Casa Viva. Ontem o promotor da Saúde, Jorge Tobias, confirmou ter requerido junto à comissão de sindicância instaurada pela Prefeitura documentação referente às investigações realizadas nas 29 residências da cidade. Deste total, 17 estão sob a responsabilidade da Casa Viva desde 2010. Segundo o promotor, a ideia é juntar todos os elementos que envolvem a denúncia, a fim de verificar se há ou não indício de dano ao vulnerável.

Em janeiro deste ano, a secretária de Saúde, Elizabeth Jucá, determinou instauração de sindicância para levantar inadequações contratuais. Inicialmente, a denúncia era de maus-tratos contra os moradores dos imóveis administrados pela Casa Viva, o que ainda não foi confirmado. Os técnicos, no entanto, encontraram situações inadequadas referentes aos cuidados de saúde dos usuários do serviço, má conservação em alguns imóveis, falhas no abastecimento de alimentos e registro de assistência insuficiente por parte dos técnicos de nível superior de referência. Foi constatada, ainda, queixa de agressão verbal contra um morador.

“Recebi a documentação e vou analisá-la. Se existirem elementos que apontem que as denúncias condizem com a realidade, podemos instaurar um inquérito civil público ou requisitar instauração de inquérito policial e até mesmo instauração de procedimento criminal”, informou Jorge Tobias.
A notícia da investigação do Ministério Público pegou José Eduardo Amorim, diretor executivo da Associação Casa Viva, de surpresa. “Não fui informado sobre isso e nem comunicado oficialmente. Recentemente, participei de audiência no Ministério Público com representantes da saúde mental e da saúde para tratar de outro tema: os benefícios previdenciários dessa população. Sobre essa nova investigação, não recebi nada”, afirmou Amorim.

Ler 320 vezes
         
         

RELATÓRIO FINAL - II LENAD

Screen-Shot-2014-05-10-at-18.04

Resultados do II LENAD

lenadII